Tráfego das redes sociais influencia os rankings no Google?

Redes Sociais Social Media

A pergunta que todos fazem: o tráfego das redes sociais influencia os rankings no Google? A resposta é simples: sim. Na mesma medida que outras acções podem ou não influenciar. Porém, ao mesmo tempo, a resposta é: “Não” – possivelmente não da maneira como pensava.

Ou seja, sim é possível influenciar rankings orgânicos através de redes sociais, não significa que aconteça simplesmente por partilhar algo. É um pouco mais complexo do que isso, mas ao alcance de todos. Pelos menos em teoria.

E este texto irá ajudar as equipas de SEO a apoiarem acções de “Influencers” e a olharem para estas campanhas de uma forma diferentes.

Como melhorar os rankings no Google através das Redes Sociais?

  1.  Conteúdo viral
  2. Links para a página (ou folder) que quer melhorar
  3. Rezar para que o assunto seja mesmo viral

Ok, nada é assim tão simples. Mas, ficou bem resumido.

Como é que tecnicamente funciona? Na verdade, o Google não lê os  “sinais sociais” das redes sociais, como Facebook, Twitter ou outro… Ou seja, ter mais gostos, mais partilhas ou mais comentários não irá dar sinais ao Google de que o seu conteúdo deve ranquear melhor.

O sinal mais forte é, porém, indirecto: visitas. E visitas geram mais visitas, até que o assunto deixa de ser viral e aí o Google olhará mais para o Bounce Rate das visitas orgânicas. Perdidos? Vamos fazer um esquema:

Pediu a um “influencer” para publicar um vídeo no Youtube a experimentar um produto novo da sua empresa. Ele deixa um link no Youtube, menciona o produto e a marca.

Agora imagine que o público do seu “influencer” adorou aquele vídeo e em 24horas já leva meio milhão de visualizações. A chance de os utilizadores começarem a clicar no link é grande, aumentando as visitas ao seu site. Mas, muitos irão ao Google procurar pelo produto (com ou sem o nome da sua marca)… eles não irão clicar em outro resultado que não seja a sua marca, pois sabem o que querem. O CTR da sua página para aquelas “queries” vai crescer e com isso a posição na SERP.

Mas há mais, se aquele link no YouTube teve tantos cliques é porque é um “bom link” e o Google irá analisá-lo de uma maneira m,elhor, aumentando um pouco a sua autoridade, até porque estes links são no-follow e, em teoria, não passariam qualquer autoridade.

O que aumentou também? As procuras pela sua marca. Aumentando o volume de procura pela marca está a dizer ao Google que a sua marca é valiosa e todas as suas páginas irão receber um “bónus” por isso. Sobre este tema sugiro este texto do “Moz”: Rankings Correlation Study: Domain Authority vs. Branded Search Volume

Tenho que utilizar “Influencers” para conseguir esses resultados?

Não! Qualquer conteúdo (vídeo, imagem, texto) que gere visitas para o seu site pode desencadear o mesmo efeito. Descobri tudo isto involuntariamente quando um post no Facebook se tornou viral e a página em questão passou da segunda página do Google para a segunda posição orgânica em 2 semanas.

Actualmente, essa página está a ranquear em 5 para a KW em questão. Uma keyword com Search Volume superior a 100.000 procuras mensais em inglês.

Como gerar tráfego para o meu site?

Crie um blog com conteúdo informativo – upper funnel – para manter a sua audiência actualizada. Pode utilizar o Blog para landing page de campanhas, aumentando o “Backlink Profile” deste “folder”.

Tenha cuidado para não criar conteúdo duplicado. Se o fizer, a criação de um blog poderá trazer mais problemas que benefícios.

  • Páginas de Campanhas

O nosso artigo sobre Páginas de Campanha dá algumas luzes sobre como conseguir impulsionar o tráfego com estas páginas.

  • Redes Sociais

Tenha perfis nas redes sociais onde está o seu público-alvo. Se eles estão lá, talvez você também devesse estar.

Facebook
Twitter
YouTube
Instagram
Pinterest
Reddit
Foruns

  • Email

O Email marketing continua a ser uma boa forma de manter a sua audiência actualizada e uma excelente forma de gerar visitas.

A Equipa de SEO deverá trabalhar com a Equipa de Brand?

Sempre. O tráfego directo é um dos principais factores de ranqueamento. Seria um desperdício ter as duas equipas a trabalharem em estratégias diferentes.

Todas as estratégias de PR, Redes Sociais, Marketing Offline têm capacidade para melhorar os resultados orgânicos. Para quê trabalhar em separado quando os resultados são bastante melhores quando se trabalha em conjunto?

O Marketing de Conteúdo é um dos pilares do SEO.

Vamos testar?

Partilhe este artigo nas suas redes sociais (nós agradecemos desde já!) e se atingirmos valores de partilha suficientes para termos um “case”, partilharei aqui todos os números e resultados.

Se estiver interessado em receber os resultados no seu email, por favor contacte: info@seoportugal.net

Queria ser Jornalista, mas fugi para o Marketing e dei por mim a trabalhar como SEO. Em agência ou in-house, já trabalhei com projectos do Spotify, Telepizza, Amazon, Hostelbookers, Hostelworld, 360imprimir ou EF Education First. Sonho um dia ainda voltar a Portugal e viver do Marketing Digital. Fundei a SEOPortugal para ajudar a divulgar o SEO e partilhar algum conhecimento.

Guia para Gestão da Reputação Online – Como remover resultados negativos em motores de busca

Reputação Online Mobile

A Gestão da Reputação Online (ou na sigla inglesa, ORM) é imperativa nos dias que correm. Cada vez mais, tomamos decisões baseadas no que encontramos online sobre determinada pessoa, empresa ou produto. Estes resultados podem influenciar na compra de certos produtos ou serviços, oportunidades de emprego ou confiança sobre determinada pessoa.

A evolução da internet trouxe imensos aspectos positivos, um deles a liberdade com que podemos expressar a nossa opinião através de redes sociais ou websites, assim também como comentários e avaliações.

Contudo, por vezes, esses aspectos podem não ser assim tão positivos, porque esta liberdade também permite que as pessoas digam o que querem sobre si ou o seu negócio independentemente se é verdadeira ou falsa essa informação.

Outra desvantagem é que tudo o que seja publicado online é guardado permanentemente.

Quando se aperceber de algum conteúdo negativo online, quer seja através de redes sociais ou em pesquisas orgânicas, não reaja de imediato com um comentário ou email desagradável. É provável que vá piorar a situação.

Como remover resultados negativos do Google

A melhor forma de remover um link do Google, ou seja, remover conteúdo de um motor de busca, é removê-lo completamente da internet, (seja através de contacto directo com a pessoa que o publicou e que tenha a possibilidade de removê-lo ou através do contacto do website em que foi publicado). Isto significa que o motor de busca não poderá mostrar nunca mais esse resultado.

Existe também a possibilidade de remover certos resultados do Google por razões legais, contudo nem sempre isto é possível.

As restantes técnicas que irei mencionar e explicar assumem que não existe qualquer tipo de forma de remover o resultado do motor de busca. Sendo este o caso, a única possibilidade que temos é fazer com que esse resultado seja “empurrado” o mais para baixo possível nos resultados, de preferência que apareça na segunda ou terceira página do Google.

Remover conteúdo desatualizado

Se o conteúdo foi excluído de um site, mas ainda é exibido nos resultados da pesquisa do Google, é possível que o cache ou a descrição da página estejam descatualizados. Para solicitar ao Google a remoção de conteúdo desactualizado:

  1. Acesse a página Remover conteúdo desactualizado.
  2. Digite o URL (endereço da Web) da página que apresenta o conteúdo desatualizado que você deseja remover.
  3. Seleccione Solicitar Remoção.

Verifique o status da sua solicitação na página Remover conteúdo desactualizado.

Remover informações do Google

É possível pedir ao Google para remover dos resultados de pesquisa do Google as suas informações pessoais confidenciais, como seu número de conta bancária ou uma imagem da sua assinatura manuscrita.

O que o Google removerá

Consulte as Políticas de remoção do Google para saber quais informações o Google removerá. Para remover uma foto, um link para um perfil ou uma página da Web dos resultados da Pesquisa Google, geralmente é necessário pedir ao proprietário do website (webmaster) para remover as informações.

Ferramentas para monitorização de resultados:

As 3 Tools de monitorização mencionadas em baixo têm objectivos diferentes e pode não ser necessário utilizá-las todas.

SERPWoo

Esta ferramenta funciona basicamente da mesma forma que qualquer outro “keyword tracker”, contudo, tem algumas particularidades que a tornam especial e facilitam bastante o trabalho de monitorizar os resultados orgânicos para ORM.

Uma das grandes vantagens é que não estamos limitados a monitorizar um domínio para certa keyword, mas sim todas as posições no motor de busca para essa keyword (para diferentes palavra-chaves e motores de busca de diferentes países), e com isto também permite marcar resultados como positivos, negativos e neutros.

Google Alerts

Esta tool é uma das melhores, por duas razões: primeira é grátis; segunda, monitora a palavra-chave que escolherem em web results, news, blogs e resultados de video. Assim, quando há uma nova menção online da keyword que escolher será notificado de imediato.

Mention

Esta ferramenta monitora a marca na web e redes sociais em tempo real com live updates.

Como fazer desaparecer resultados negativos do Google:

Registar o seu próprio domínio com as palavras chave que pretende fazer target:

Uma das primeiras coisas a fazer é registar o domínio com a sua marca ou nome e/ou possivelmente com a palavra-chave. Neste caso recomendo registar se possível os principais TLD.

Em cada um destes domínios deverá criar um website ou um blog, crie as páginas normais de um website ou blog como o “sobre”, “política de privacidade” e “contactos”.

Depois, deverá criar conteúdo ou artigos que contenham a palavra-chave que quer trabalhar (se for possível H1, H2 e no conteúdo), neste caso aconselho vivamente pelo menos 500-1000 palavras no mínimo. Deverá incluir imagens optimizadas com “alt tag” e se possível “media content”, como vídeos, por exemplo.

Criar conteúdo para websites com autoridade (Guest Posting)

Esta provavelmente será a forma mais fácil de inicialmente rankear para a palavra-chave que queira usar, por exemplo o seu nome ou marca + keyword, pelo simples facto que estamos a utilizar um website que já deverá possuir um “backlink profile” e com isso autoridade perante os motores de busca.

Procure blogs ou websites relevantes para o tópico/nicho da keyword que queira usar e tente contactá-los para ver se aceitam usar o seu artigo.

Web 2.0

Muito simples, são websites que nos permitem criar a nossa página e que podemos partilhar conteúdo, como por exemplo o blogspot, wordpress e tumblr. Normalmente alguns tem mais facilidade em rankear do que outros, segue-se uma lista dos que deve registar:

Deverá usar o seu nome ou keyword ou “nome+keyword” e o domínio da plataforma, por exemplo “nome+keyword.wordpress.com”

  • WordPress.com
    Blogspot.com
    Google Sites
    Buzzfeed.com
    Medium.com
    Tumblr.com
    Weebly.com
    Jimdo.com
    Skyrock.com
    Carbonmade.com

Cada um destes websites deverá ser preenchido o mais possível em termos de biografia, para que também aparece a sua marca ou nome.

Cada um deles deverá ter artigos que mencionam a palavra-chave.

Social Media Profiles

Social Media Profiles são as redes sociais que utilizamos hoje em dia como por exemplo o Facebook, mas neste caso iremos utilizá-las para ranquear no Google para a keyword que necessitamos.

Segue-se uma lista de redes sociais que deverão ser registadas.

  • Linkedin
    Crunchbase
    Facebook
    Angel.co
    Twitter
    Youtube
    Pinterest
    Instagram

Estratégias de Linkbuilding

Interlinking

Interlinking irá facilitar que apareçamos melhor posicionados no Google, contudo, deverão interlinkar da forma que irei explicar, pois não iremos criar links dos web 2.0 para os nossos websites ou perfis sociais.

Se conseguirem segurar links em guest posts em websites autoritários podem e devem linkar estes para o seu website com o vosso próprio domínio.

Interlink do seu novo website com o seu próprio para as redes sociais que irá utilizar, e, nestas, link para o seu website.

Guest Posts

Como mencionei anteriormente esta é uma forma excelente para aparecer no Google e criar links para o seu website simplesmente porque se for um website com conteúdo relevante e bom “backlink profile” irá ranquear para as palavras-chave que deseja só por si. Ao mesmo tempo, também passará autoridade através do link para o seu website, ajudando este também a ranquear.

Private Blog Network (PBN)

Também irei explicar algumas formas de “grey hat” e “black hat” para criar links para ajudar a criar mais autoridade.

Sim, “grey/black hat” é contra as boas práticas recomendadas pelo Google. Pode levar websites a serem penalizados e não-indexados, contudo… técnicas como estas funcionam bastante bem em web 2.0 e “social profiles” e é para isso que as vamos utilizar.

Uma Private Blog Network é uma rede de websites com autoridade (backlink profile) que é criada com o objectivo de criar links para diferentes websites com o intuito de ranquear melhor nos motores de busca.

Neste caso até podemos utilizar links do fiverr.com.-Não compre grandes quantidades de links, normalmente há packs de 30 domínios que devem chegar. Sim, normalmente estes websites são bastante spammy alguns até nem estão indexados, contudo, porque iremos linkar para os web 2.0 e “social profiles” não há problema. Se fosse para criar links para os nossos próprios domínios, aí a história já seria bem diferente. E não o recomendamos de todo.

Normalmente o que aconselho a fazer é um “ratio” baixo de “exact match anchor text” ou “partial match anchor text”. Por exemplo, em 30 PBNs as “anchors text” seriam cerca de 80-90% de url, “leia mais”, ”descubra mais”, ”clique aqui”, etc. Os restantes 10-20% seriam  “exact match” ou “partial”.

Não compre destes links para apontar para os vossos próprios domínios.

SAPE

SAPE é uma rede de websites russa, um pouco “dodgy”, contudo, alguns dos websites nesta “network” tem bastante autoridade e podemos alugar links bastante baratos destes websites para os nossos perfis.
Normalmente, 1 ou 2 destes links com “exact match” ou “partial match anchor text” por cada web 2.0 ou social profile é suficiente.

Atenção, analise o website em que vai comprar links, e veja o backlink profile também. Por duas razões, queremos que estes passem autoridade, contudo, por vezes, estes websites porque contêm a palavra chave que queremos trabalhar acabam por ranquear na primeira página do google para a nossa keyword.

Guia de Gestão da Reputação Online

As técnicas que expliquei neste texto já tive oportunidade de as testar e obter excelentes resultados, e é por isto que as estou a partilhar.

Uma das vezes que a utilizei, tinha uma campanha em que um era necessário limpar a primeira página para 3 palavras-chave, “nome de uma pessoa”, “nome de uma pessoa + keyword 1” e “nome de uma pessoa + keyword 2” para diferentes países, alguns dos artigos que ranqueavam na primeira página eram de páginas com uma grande autoridade e quem o fez também criou links para essas paginas para ainda ranquear melhor. Com estas técnicas fui capaz de limpar a primeira página.

Obviamente, que o número de perfis e links irá depender dos resultados negativos que aparecem na primeira página.

Domain Authority: É importante medir a autoridade de um site?

Moz Bar Domain Authority

A Domain Authority faz parte do ABC do SEO e dá uma base sobre o quão provável é um site ranquear para cada querie. Esta métrica está acessível a todos os SEOs e tem como base a autoridade de “SEO” que cada website detém. A métrica foi criada e desenvolvida pela ferramenta Moz.

Apesar da DA ser a expressão mais usada (mesmo quando muitas vezes não nos estamos a referir à métrica criada pelo Moz, mas sim a outras semelhantes ciadas por outras empresas), existem inúmeras ferramentas que nos podem ajudar a mmedir a autoridade de domínio.

SEO é uma área um pouco “obscura” e, por isso, dada a mistificações e ao aparecimento de “experts” que prometem o impossível. A verdade é que há pouca informação sobre como funcionam os algoritmos do Google. Neste cenário, é óbvio o fascínio que a DA cria ao “prometer” desvendar que sites são mais fortes e quais os menos relevates ou com menos autoridade.

De facto, a DA fornece um vislumbre da “força” do SEO de um site, de forma semelhante à barra de ferramentas – agora obsoleta – do PageRank. O Google ainda faz uso de alguma variação do algoritmo PR internamente, mas as suas pontuações não são mais visíveis para o público e nunca mais foram actualizadas. Ou seja, estas métricas, por si só, valem zero. São indicadores como tantos outros, mas não deixam de ser relevantes, sobretudo, uma área com tanta falta de informação.

Por outro lado, a busca por uma DA elevada levou a uma corrida – algumas vezes “suja” – de aquisição de links. O Google teve que readaptar a forma como lia os links tornando cada vez mais irrelavante a DA do site que “linka”. Ainda assim, muitos SEOs fazem uso da Autoridade de Domínio para detectar a qualidade de seus backlinks e para entender como estes estão a afectar a saúde do SEO do seu site.

Moz Bar Domain Authority
Moz Tool Bar – Uma das ferramentas gratuitas mais usadas para medir a autoridade de um domónio

O que é autoridade de domínio?

A Autoridade de Domínio (DA) é um valor de ranqueamento em motores de pesquisa desenvolvido pelo Moz e que prevê o quão bem um site irá ranquear na SERP. Um score de autoridade de domínio varia de 1 a 100, com pontuações mais altas correspondentes a uma maior capacidade de ranqueamento.

A Autoridade de Domínio é calculada avaliando os domínios dos links, o número de links totais, o MozRank, o MozTrust, etc, resultando numa única pontuação: o DA. Esta pontuação pode então ser usada quando se comparam sites ou rastreando a “força de ranking” de um site ao longo do tempo.” – Moz.

Em última análise, este é um modelo representativo de como o Google decide quais páginas devem ranquear para cada “query” e em que ordem devem ranquear.

Tal como “relevância”, a autoridade abrange uma ampla área de avaliação aberta à interpretação. A Domain Authority visa cortar essa ambiguidade fornecendo uma métrica que pode comparar a força de SEO de diferentes sites com base numa metodologia consistente.

Embora os profissionais de marketing estejam conscientes de que a DA tem limitações intrínsecas como métrica, é pelo menos um barómetro que mede se os nossos esforços de SEO estão a ganhar força ou não. Como tal, serve um propósito importante.
Ao prospectar novos links, por exemplo, é útil verificar a DA de sites externos antes de entrar em contato com o site sobre uma potencial parceria. Combinado com uma série de outras métricas – tanto qualitativas quanto quantitativas – a Autoridade de Domínio, portanto, pode orientar as marcas para decisões de SEO mais eficazes.

A “autoridade de domínio” foi elaborada pelo Moz e, naturalmente, eles apropriaram-se desse nome. O seu conjunto de ferramentas (algumas dos quais são apresentadas neste artigo) revelam a autoridade de domínios específicos, mas dezenas de outras ferramentas gratuitas usam a API de Moz para mostrar essas pontuações também.

No entanto, no que respeita a medir a autoridade de domínio, alguns outros pacotes de software de SEO fornecem uma visão ligeiramente diferente sobre a força de SEO de um domínio.

As pontuações de Moz baseiam-se nos links contidos no seu próprio índice, que é, sem dúvida, menor do que o índice de URLs do Google.

Outras empresas de software de SEO, como Majestic e Ahrefs, têm o seu próprio índice de URLs. Esses índices sobrepõem-se um ao outro, mas ainda há perguntas que devem ser apresentadas:

  • Tamanho do índice: quantos URL estão contidos no índice do software?
  • Frequência do rastreamento de índice: com que frequência o índice é actualizado?
  • Links ao vivo: Existem exemplos comuns de “falsos positivos”, onde os links inactivos são relatados com código 200 de status
  • Correlação com rankings reais: Simplesmente, uma classificação de domínio mais alta equivale a melhores classificações?

A importância dessas questões e o significado resultante de suas respostas dependerão do contexto de uma marca. No entanto, estes são pontos que vale a pena considerar ao avaliar os resultados que seu site recebe.

Cada um dos principais players neste espaço tem distinções subtis dentro de sua metodologia, o que será importante para a maioria dos SEO.

Queria ser Jornalista, mas fugi para o Marketing e dei por mim a trabalhar como SEO. Em agência ou in-house, já trabalhei com projectos do Spotify, Telepizza, Amazon, Hostelbookers, Hostelworld, 360imprimir ou EF Education First. Sonho um dia ainda voltar a Portugal e viver do Marketing Digital. Fundei a SEOPortugal para ajudar a divulgar o SEO e partilhar algum conhecimento.

Press Releases em SEO – Resposta para o novo Google Penguin?

Conteúdo Oculto Google

É oficial: Penguin is now part of our core algorithm! Ou seja, quando o Google indexar uma página irá logo ter em conta o número de links externos e internos que apontam para essa mesma página. Para quem trabalha em SEO isso significa conseguir que mais (e melhores) websites “linkem” para as suas páginas. Os Press Releases em SEO serão a resposta?

Sobre esse tema sugiro a leitura destes dois textos “Autoridade de página” e “Autoridade do domínio“.  Está explicado a importância da “autoridade” e/ou “relevância” das páginas para os motores de busca.

A autoridade de um domínio é construída com base na relevância de antigos conteúdos e, assim como um bom vinho, melhora com o tempo. A Autoridade de Domínio é um dos indicadores da reputação que um domínio possui e é calculada basicamente pela quantidade e pela qualidade de links que um site recebe.

Com links em sites com elevada autoridade a encaminharem fluxo para o nosso website, as nossas páginas acabam por receber um pouco dessa mesma autoridade. Daí a importância de ter links em sites de confiança a apontarem para o nosso. Ou seja, a importância de ser fazer “link building“.

Como conseguir, então, que outros sites escrevam sobre o nosso e insiram links? Identifico três meios primários: Conteúdo, Abordagem/Outreach e Relações Públicas (Press Releases).

Conteúdo

Se tivermos bom conteúdo no nosso site é mais provável que alguém fale sobre isso. Há então mais probabilidade que alguém mencione um artigo/blogpost que tenhamos publicado no site e que insira um link para a nossa página.

O que é um bom conteúdo? Essa é a pergunta de um milhão de euros. Resumindo é um conteúdo que os seus leitores/visitantes gostem de ler. Saber o que os seus visitantes gostam é um processo, muitas vezes, de tentativa/erro.

Outreach

Outreach é, basicamente, contactar alguém para que fale sobre o seu site/conteúdo e, no melhor dos cenários, coloque um link para o seu site. O outreach pode ser feito com o conteúdo que publica no seu site (ver Conteúdo), mas pode também pode e deve ser feito com dados e conteúdo “exclusivos” para que outros tenham interesse em escrever sobre eles.

Sabemos igualmente quão valioso é o tráfego que vem de outros sites para o nosso, sejam blogs, sites de notícias ou redes sociais.

Press Releases

As Relações Públicas e o envio de notas de imprensa continuam a ser uma forma eficaz de fazer linkbuilding. Ainda que há muito se diga que os Press Releases são uma prática em extinção.

Não só estão mortos como podem ser optimizados para SEO: “Quick tip: Adjust Your Press Release for SEO“.

Os sites de notícias costumam ter elevada autoridade. Conseguir um link nestes sites é algo muito desejável.

O chamado “press release link building” é “desconsiderado pelo Google”. O motor de busca não dá o mesmo valor aos links em sites de notícias, sobretudo se o conteúdo for duplicado.

O segredo passa por entregar press releases distintos a segmentos distintos. Adapte o conteúdo conforme o meio a que está a enviar.

É possível conseguir links em sites de notícias?

A resposta é “sim”. Recentemente fiz uma análise aos resultados de dois anos de trabalho com um cliente cuja presença é global, ainda que para estes resultados só esteja a contabilizar três países.

No segundo ano, reforcei a estratégia de Relações Públicas. No total, enviei 19 press releases, mais 11 do que no ano anterior.

Depois de perceber o que funcionava melhor para cada um dos países, no segundo ano os resultados foram extremamente animadores: mais 310 publicações (393 no total) que no ano anterior.

Obviamente nem todos estes “placements” foram em sites com elevada autoridade. Ainda assim, com 19 press releases consegui 55 sites de referência a publicá-los. Se no primeiro ano a taxa de publicação por parte de sites com autoridade era de 1,7%, no segundo ano esta percentagem subiu para os 2,7%.

Ao todo, foram conseguidos 156 links, mais 136 que no primeiro ano. Também aqui cresceu a percentagem de sites a aceitar linkar de volta: 24% no primeiro ano, 39,7% no segundo.

Nos sites com mais autoridade notou-se, porém, maior dificuldade em conseguir links de volta: no primeiro ano 55,6% dos sites com autoridade que decidiram publicar o press release linkaram de volta, mas no segundo ano a percentagem diminuiu para 43,6%.

Outra da análise feita incidiu sobre os sinais sociais (likes, comentários, retuites, partilhas…) com origem na publicação desses press releases. No primeiro ano registei 9463 sinais, já no segundo ano este número subiu para 40274.

Sem surpresa, também o tráfego directo conseguido através da publicação das notas de imprensa sofreu melhorias: 1440 visitas no primeiro ano para 5079 no segundo.

Esta parece-me ser a prova de que – pelo menos para já – os press releases continuam a ser uma boa forma de obter links e citações (que até podem ser usadas nas campanhas de PPC).

Queria ser Jornalista, mas fugi para o Marketing e dei por mim a trabalhar como SEO. Em agência ou in-house, já trabalhei com projectos do Spotify, Telepizza, Amazon, Hostelbookers, Hostelworld, 360imprimir ou EF Education First. Sonho um dia ainda voltar a Portugal e viver do Marketing Digital. Fundei a SEOPortugal para ajudar a divulgar o SEO e partilhar algum conhecimento.