Nova Google Search Console – Novidades e o Futuro

A nova Google Search Console já está aí para todos os web masters – ainda que em fase beta. Explorei a nova versão da Google Search Console com curiosidade e o que trago são boas, não-tão-más e notícias assim-assim.

Muitos de nós são do tempo do “Webmaster tools”, depois o Google mudou-lhe o nome para Search Console, mas os webmasters continuaram com os problema de sempre. O principal: apenas 3 meses de dados.

Há muito que o Google vinha a prometer mais dados na Search Console e a mudança era esperada para este ano. E aí está. Desde Janeiro que a versão beta (que já viu vários layouts e o actual não deverá ser o último!) está disponível para que os webmasters possam partilhar o seu feedback com a gigante americana.

É tudo muito recente e o Google continua a testar a nova Search Console. Nos próximos meses o motor de busca irá adicionar – à agora “nova” – os serviços da “velha” consola. Ambas as versões irão coexistir até que tudo esteja terminado. Desde Janeiro que tenho acompanhado a versão beta do “Webmaster tools” e chegou a hora de fazer um primeiro balanço.

Novidades da Nova Search Console

16 meses de dados! O Google excedeu todas as expectativas, no máximo esperava-se que fossem disponibilizados 12 meses. Esta era a novidade mais esperada pelos webmasters. O Google disponibiliza agora 16 meses de dados (Clicks, Impressions, Av. CTR e Av. Position), permitindo análises automáticas de YoY ou WoW e até MoM.

Até agora, quem queria ter acesso a esses dados teria de construir as suas próprias base de dados e usar o API da Search Console ou então usar uma das ferramentas disponíveis do mercado (o Linkdex disponibiliza essa opção) para conseguir guardar mais do que os 3 meses mostrados pelo Google.

É, aliás, na parte analítica que a nova Search Console mais vem ajudar. Pelo menos até agora. A renovada área de análise, agora conhecida como Performance de Pesquisa, trás novas opções que até agora só estavam disponíveis a quem baixasse os dados através do API.

Tal como acontece com o antigo relatório do Search Analytics, é possível ver cliques totais, impressões totais, CTR médio e dados de posição médios no mesmo gráfico. Mas onde os webmasters anteriormente eram forçados a escolher entre a filtragem por tipo de pesquisa, consulta, página, país e dispositivo – com apenas uma opção disponível – agora é possível filtrar por múltiplas variáveis ao mesmo tempo.

Mas há mais novidades. A secção do Índice na nova Consola de Pesquisa do Google é uma combinação dos relatórios anteriores de Indíces de Erros e Índices de Rasteio. O novo relatório permite que os proprietários do site vejam como o Google está a indexar o site, bem como identificar e corrigir erros.

É possível visualizar dados por páginas com erros, páginas válidas com avisos, páginas válidas que foram indexadas e páginas excluídas e também sobreposição de dados de impressões no topo. Porém, até ao momento, ainda não é possível ver onde o Google encontrou determinado link – o que é possível na “velha” consola e de extremo valor na hora de saber onde atacar o problema.

Como um belo “plus”, a nova Search Console permite solicitar a actualização do índice do Google após termos resolvido um problema. Ou seja, em vez de termos de esperar que o Google volte a visitar uma página e a volte a avaliar, podemos pedir para que o faça assim que possível ‘ possibilitando recuperar de perdas mais rápido do que nunca.

Relatório de Links

O relatório de links aparece com nova cara. e com mais precisão, por isso é provavel que apareçam menos links nesta nova versão. 

Fica aqui uma imagem do relatório que mostra que o novo relatório de links, para links externos, está dividido em (a) top linked pages e (b) top linking sites.

top link sites relatorio de links search console

Imagens roubadas ao seroundtable.com.

Há – e haverá – mais umas quantas pequenas novidades. Mas considero que estas são as principais.

À versão beta da nova consola ainda serão adicionados muitos dos serviços. Muitos dos dados da antiga Consola ainda terão de ser migrados.

Para já o balanço é muito positivo, mas a “velha” Search Console ainda está para durar.

Queria ser Jornalista, mas fugi para o Marketing e dei por mim a trabalhar como SEO. Em agência ou in-house, já trabalhei com projectos do Spotify, Telepizza, Amazon, Hostelbookers, Hostelworld, 360imprimir ou EF Education First. Sonho um dia ainda voltar a Portugal e viver do Marketing Digital. Fundei a SEOPortugal para ajudar a divulgar o SEO e partilhar algum conhecimento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *